miércoles, 23 de septiembre de 2015

HOMERO HOMEM [17.122] Poeta de Brasil


HOMERO HOMEM

(1921-1990)
Nacido en Canguaretama, Brasil. Se considera, después de Luís da Câmara Cascudo, RN el escritor que ha logrado mayor prominencia en el entorno de las letras nacionales. 

Entre sus obras destacan  CABRAS DAS ROCAS(1966), MENINO DE ASAS (1968), O ASSESSOR DO DIA(1976) e O LUAR POTIGUAR(1983).




MI HIJA

         A Maria Elisa


Mi hija nació al amanecer
en su canto,
un pájaro flirteaba com la estrella del alba.
Y así nacieron el día y mi hija.

Botón de rosa, pétalo de llanto,
hiriendo carne madre, rosal manso
en ahogos  y trinos enraizada,
nació mi hija, paje de la aurora,

entre ropajes lívidos, asépticos,
mi rudo brazo abrigó su grito,
claro fragor en el cristal del alba.

Mi hija nació al amanecer,
corola pequeñita abierta al propio
polen del llanto, marca de existencia.




SONETO PARA ANA MARIA INFANTE

                   No es leche lo que chupas. Ni es el pan,
                   que aún no precisas:
                   desastradamente mias, son
                   apenas dos manos que te prenden.

                   Apenas dos manos, siervas de la gleba
                   y pajes de una aurora que persigo,
                   son apenas dos manos, son los leves
                   dados del juego que ensayo contigo.

                   Apenas son dos manos. Mas, por mías,
                   son calladas ternuras, envoltorios
                   y antenas de captura de tu sueño.

                   Son apenas dos manos. Son tus huertos
                   entre tierras que huyen, que recojo,
                   que libero de mi y que te muestro.
                  



                     CANCIÓN DE AMOR

                   !Como alabarte, Merecedora,
                   si a tu lado
                   apenas consigo solfear:
                   !te amo!

                   Te amo, digo simplemente; y, estereofónico*,
                   Sigo repitiendo: te amo.
                   Oh! Silencio,
                   caverna musical de los enamorados.
Dentro de ti, estuche de mi eco,
la estalactita cae, gota a gota,
y murmura:
te amo.
                              

                               Oh! señal de existencia.     
sonora modulación de maravillas
frescas y eternas como flauta y viento,
muro, sierpe, manzana hombre-mujer;
en una casa-jardín, antiguamente,
alguien, inaugurando la ley de la transgresión
le dijo a alguien: “te amo”
y todo comenzó y aún recomienza.
Millonario de la repetición,
te amo, pues, repito eternamente.

Y esos pobres sonidos
sólo audibles en nosotros, mas cargados
de la intensa luz de la Revelación,
son mi cantar de amor
         ¿o son tu voz?

Traduções de HILDON ROCHA

POEMAS EXTRAÍDOS de la  REVISTA DE CULTURA BRASILEÑA
(N.42, DICIEMBRE 1976)
Embajada de Brasil en Madrid.







“HOMERO nunca existiu?
Este existe — é fato vero —
e tanto fisga a poesia
como boto, pampo ou mero”.

          Carlos Drummond de Andrade




HOMEM, Homero.  O país do não chove: poesia com endereço.  


Sobre Cacilda. Preta. Por Fome.

Cacilda. Preta. Por fome
(essa fome nordestina
sergipe de tão comum)

Cacilda preta, por fome
de comida se dá toda.
Por amor só da a um.

Mau comércio de Cacilda.
Cacilda dorme com todos
mas acorda sem nenhum.

Vigarice de Cacilda
pelas Lapas do sol posto
cavando seu desdejum:

se espoja em cama de vento
apaga a vela a Ogum.
O corpo vira cem pratas.
Com vinte de safadeza
Mais dez de semvergonhice
Cacilda compra pimenta.
Meia-noite janta atum.

Ah profissão de Cacilda
que deita por feijão preto
e nana por gerimum.

Deita, Cacilda. Deitada
a fome quebra o jejum.

Cacilda preta expedita
polvilha pele e axila.

Com talco leite de rosa
desodoriza o bodum.

Cacilda preta expedita.
Sempre fatura algum.

Cacilda negrinha à toa
Mulher de Cosme e Doum.

Com fome se dá a todos.
Jantada, só dá a um.



Sobre os Meios de Produção e Transporte
no País do Não Chove

No País do Não Chove, meu país
o principal transporte é a alpercata
no pé do rompe-légua. Quando a seca
- malino bel zebu de corno aceso
e descarnado rabo de tatu –
põe-se a chupar o chão pelo canudo
de língua fulminante de mil voltes,
morre no calcanhar do retirante
a esperança hidrelétrica do povo
chorando um São Francisco que não vem.

               Isso na seca. Se chove
               de Aracati a Goiana
               pela vasante dos rios
               circula a cana caiana
                puxada a carro de boi
                ou pela tração humana.

Já renasce a gramínea em campo verde.
Soa longe o zambê bem compassado
do trator no trabalho. Moto-bomba
cantando seu martelo agalopado
esparge o alvo lençol de uma ribeira
pelos vales e leiras e o alagado
onde singra o comício de marrecos
grasnando a uberlândia dessa várzeas
ao simplestrondo vivificador
                             do corisco invernado.

                 Assim é o brejo chovido
                 como o sertão lavrador.
                 Mas na costa faça sol
                 Ou verta o céu, meu senhor

                 - em cima de cinco paus
                 anda por mar baralhado
                 de ventos e temporais
                 um coringa pau mandado
                 sem profissão definida
                 que nasce morre na lida
                 chamada de pescador.

                 Com cem braças de linha
                 tecida de uma sede
                 de sangue em seu anzol
                 sonha arpoar o sol

                 - badejo malfazejo
                 arraia purpurina
                 moréia flamejante
                 cação descomunal –

                  e ir vende-lo em posta
                  nos portos desta costa
                  d´África nordestina
                  que é o nosso litoral





MINHA FILHA

         A Maria Elisa


Minha filha nasceu de madrugada.
Com seu canto,
um pássaro flertava a estrela-dalva
e assim nascia o dia – e minha filha.

Botão de rosa, pétala de choro
Ferindo cerne mãe, roseira mansa
Em ofego e trileno enraizada,
Minha filha nasceu. Pajem da aurora

entre roupagens lívidas, assépticas,
meu braço rude aconchegou seu grito,
claro fragor no vidro da manhã.

Minha filha nasceu de madrugada,
corola pequenina aberto ao próprio
pólen do pranto, selo de existir.


  SONETO PARA ANA MARIA INFANTE

                   Não o leite que sugas. Nem o pão
que ainda não precisas.
Desajeitadamente minhas, são
apenas duas mãos que te seguram.

Apenas duas mãos, servas da gleba
e pajens de uma aurora que persigo.
Apenas duas mãos e são os leves
dados do jogo que ensaio contigo.

Apenas duas mãos. Mas sendo minhas
são ternuras caladas, envoltórios
e antenas de captura de teu sono.

Apenas duas mãos. São teus pomares
entre terras que fogem, que recolho,
que liberto de mim e que te ensino.


CANTAR DE AMOR

Como te louvar, Merecedora
se a teu lado
consigo apenas solfejar:
                                      te amo.

Te amo, digo simplesmente e estéreo-afônico
fico a repetir, te amo.
Ah, silêncio,
caverna musical dos namorados.
Dentro de ti, escrínio de meu eco
e estalactite tomba pingo a pingo
e balbucia murmura:
                            te amo.

Ah signo de existir.
Modulação-sonar de maravilhas
frescas e eternas como flauta & vento
muro serpe macã homem mulher;
numa casa-jardim, antigamente
alguém, inaugurando a lei da transgressão
disse a alguém — “te amo”
e tudo começou e recomeça.
Milionário da repetição,
te amo, pois, repito eternamente.

E esses pobres sons
audíveis só em nós, mas carregados
de luz intensa da Revelação,
são meu cantar de amor
                   ou tua voz?



HOMEM, Homem.  Rei sem sono e outros poemas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1966.  100 p.  (Coleção Temposesia, 5)  11,5 x 18,3 cm.   Capa de Rubens Gerchman.



CANTO DO MAR

          A Haroldo Barbosa.

Sou (fui) um oceano.
Tive ilhas remotas encantadas
E golfos os mais persas: tive sórdido
Paul, área interdita
Ao comércio do peixe e da gaivota.
Memória de outro céu (Deus era esponja)
Em meu dorso de brisas circulava
Recém criado azul mediterrâneo.
Deflorava na praia a lua nova
Nasciam sernambis e pitangolas.
Meu fichário de águas guarda ainda
Atlântico cemitério onde repousam
Bujarronas, velames e sextantes
Ânforas de barro reacendendo a vinho
Espadas de Toledo
                    Torres do Tombo
                                     Ouro dos Brasis.

Sou (fui) um oceano:
'Rinha naval do choque de espadartes
Ravina mineral (chão da enchova)
Manjedoura do peixe cachalote          
Jardim com seus repúdios de golfinho  
Casa do parto anterior ao homem
Com suas garatéias e noticias.






HOMEM, Homero. O Luar potiguar. Poesia. 1ª. edição comemorativa do luar de  agosto.  Rio de Janeiro: Presença ; Natal: Fundação José Augusto, 1983.  
89 p.   14x21 cm. Inclui duas introduções críticas à obra poética de Homem Homem”, por Wilson Martins e  Gilberto Mendonça Teles. 



                      13

                       A Nilo Scatzo

Chegou agosto, quero ver seu rosto
de lua cheia me sorrir no ar.
Chegou agosto. Quero ver a rua

Toda de branco, como a madrugada
com sua entrega do leite e do pão,
na copa branca onde faz luar.

Chegou agosto. Quero ir ao parque
dojasmineiro que vestiu esfola
de pétala e renda e perfuma o ar.

Chegou agosto. Quero ver seu dente
de peixe-serra sacudir a linha
do horizonte e pular no ar.

Chegou agosto, quero ver seu dorso,
a barbatana, a nadadeira branca
furar a onda e se liquefazer.

Chegou agosto. Quero ver de novo
o peixe raro, claro de doer,
que traz nos olhos pneus de banda branca,

Sangra luz de farol pelas escamas.
E cada ano, a trinta e um de agosto,
numa praia deserta vai morrer.





HOMEM, Homero.  O Livro de Zaíra Kemper e Poesia reunida.  Rio de Janeiro: Editora  José Olympio, 1972.  201 p.  14x21 cm.  “Em convênio com o Instituto Nacional de Livro/MEC.”  Col. A.M.



A PASSAGEM DOS PEIXES

Em novembro no mar a calmaria
flutua em água azul uma gaivota
que por falta de vento se extenua
à passagem dos peixes e das horas.

Em novembro se faz minha jornada
vinte milhas ao sul, fora da barra
ao secreto parcel das águas claras,
mar do marlim, morada da albacora.

Em novembro do mar quando retorno
à praia carregando meu ocaso
de peixes já contados e demoras,

vinte milhas ao sul fora da barra
lanço ao mar minha tábua de marés
e me recolho a ti por uma aurora. 


http://www.antoniomiranda.com.br/Brasilsempre/homero_homem.html






No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada