martes, 26 de abril de 2016

CARLOS LUÍS BESSA [18.523]


CARLOS LUÍS BESSA 

Carlos Luís Bessa. Nació en 1967, Viana do Castelo (Portugal). Poeta.

Ha publicado:

“Legenda” (Atlas, 1995), “Termómetro. Diário” (Black Sun, 1998), “Olhos de Morder Lembrar e Partir” (Black Sun, 2000), “Lançam-se os Músculos em Brutal Oficina” (& etc, 2000) e “Em Trânsito” (& etc, 2003). O seu último livro intitula-se “Em Partes Iguais” (Assírio & Alvim, 2004). 


de su libro “Em partes iguais” (En partes iguales), publicado por la editorial que es Assírio & Alvim.



Maneras de estar vivo

Es el gesto de abrir la puerta y colgar
las muchas bolsas donde caben
el dolor el miedo la depresión el odio,
esos cuatro ladrones de la felicidad.

Es el gesto de abrir la puerta y repetir
el mismo ritual de siempre,
siempre a la espera de un acaso,
por ejemplo el de que el mundo sea plano.

Es el gesto que dentro de nosotros
nos defiende de muchas horas
en que el pánico estuvo
a punto de volvernos nada.

Probablemente porque los gestos no son
sino la preciosa ingeniería
de atenuar los sismos celestes,
las nubes que traemos dentro de nosotros.

Esa tanta y tanta agua
con que a veces decimos
un amor o el sofoco que fue
no corresponder al odio con más odio.

(Traducción de Alejandro Rodríguez Morales)



Os poemas de Carlos Luís Bessa, onde descrição e narração se enlaçam num registo prosaico, organizam-se como que por estratos , resultando a sua leitura numa cadência expressionista, muitas vezes deliberadamente despoetizada porque próxima da fala, e com inúmeras quebras gramaticais que se dão a ler de forma descontínua e alusiva, sincopada e metonímica. 

O tom dominante é o de uma aguda crítica à vida em sociedade, tanto rural quanto urbana, à rotina, ao tédio, procurando - por exemplo através da dissonância dos títulos - menos a adesão emocional do leitor do que o esforço da sua consciência. É frequente o uso do nonsense e da derisão, através do emprego de efeitos subversivos, surrealizantes, e de originais e inesperados efeitos de linguagem que frequentes vezes apelam para uma leitura descontruída e sabotada. Uma poesia fragmentária, portanto, deliberadadamente crua. 

O poema “ lista de compras ” foi retirado do seu livro de 2003 “ Em Trânsito ”, e “ a marmita, todas as noites a marmita" da sua colecção de 2000 “ Lançam-se os Músculos em brutal Oficina ”. 



lista de compras (2003) 

Fazia a lista de compras com um ar ligeiramente 
Sonhador. Amachucava pedacinhos de papel 
Que nos fim pareciam smarties. 
- Estou sempre contigo, sempre. 
- E tu pesas-me. 
- Sem ti, sinto-me num vácuo. 
- És de chumbo. 
E na lista de compras lá vinha um quilo de arroz 
Um litro de azeite, duas latas de atum. 
O sol, como uma flor, fazia da cozinha 
Uma festa, a que as cortinas conferiam ar de templo. 
No fogão ardia o leite, ouvia-se o chiar 
Da máquina de café e o coração 
Como um atleta, cada vez mais pálido 
Cada vez mais longe. 




a marmita, todas as noites a marmita (2000) 

De alumínio e, do tanto uso, de um cinza 
Baço, encardido. Talvez por isso um dia disse-o 
Em voz alta com as lágrimas, ali, longe de tudo 
Num banco de Lisboa. 

O frio que passou do carro para o autocarro. 
As tardes de chuva quando chegava no chão 
Sentado ao lado do condutor, ao lado do deus 
Que o trazia no mesmo frio, na mesma posição de chinês. 

Sem nos dizer do que passava, das suas alegrias 
ou tristezas. Assim até o bi 
A lei portuguesa acenar e dizer dos estigmas 
Do trabalho que se deve em nome da mesa. 

Não produzia molas suficientes e a marmita 
Arrumada para sempre no fundo do armário 
Ficou esquecida, mas não o sofrimento.


Sobre o cotovelo

Ponho-me a explicar e nesse cio de blá-blá
Canso-me corcundo-me adormeço.
Ou então pego no telefone
E a tua voz, licor, espumante.

É noite, estou nu. E as tuas mãos
Deve ser essa a minha sorte, olhar para ti
Para que o tédio me deixe
Para que esta ferida sare e se cale
Para esta cicatriz de amor.

Lançam-se os músculos em brutal oficina
Lisboa, & etc., 2000


poema com domicílio

Esta apólice, o vizinho de cima
A puxar o autoclismo
A bater na mulher e nos filhos.

A água da torneira com cheiro a lexívia
Sempre a pingar
O televisor com uma avaria.

Talvez o canteiro das flores
Sujas e mal tratadas
Estas zangas por tudo e por nada.

em Lançam-se os Músculos em Brutal Oficina - O Conhecimento das Coisas, Lisboa: & etc, 2000, p.27.





.

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada