miércoles, 25 de noviembre de 2015

RUI DIAS MONTEIRO [17.615] Poeta de Portugal

Foto de Manuel Luís Cachofel


RUI DIAS MONTEIRO 

(CASTELO BRANCO, Portugal   1987)

Nasceu em Castelo Branco, Portugal, em 1987. Vive e trabalha em Lisboa. 

Concluiu em 2008 o Curso Avançado de Fotografia e Projecto Individual no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual, Lisboa.

Expõe o seu trabalho desde 2005 e em 2014 lançou os seus dois primeiros livros, “Sob cada erva” (edição de autor) e “Fazer fogo à noite” (não edições).


POEMA CONTINUO CABREADO

Cabreado conmigo mismo

Necesito un trabajo
no de un lápiz
no de un disparo ni de violencia
no de seguridad

Necesito, simplemente, un trabajo entero
que me arranque enteros los brazos y la cabeza

Fazer fogo à noite (não edições, 2014)
Traducción: Montserrat Villar González



POEMA SEGUIDO ZANGADO

Zangado comigo próprio

Preciso de um trabalho
não de um lápis
não de um tiro nem de violência
não de segurança

Preciso apenas de um trabalho inteiro
que me arranque vivos os braços e a cabeça

Fazer fogo à noite (não edições, 2014)



FELICIDAD

Felicidad
es poder sentarse totalmente retorcido
adaptando
la comodidad al placer

Y en ese aspecto
ese es uno de los escándalos de la vejez

Fazer fogo à noite (não edições, 2014)
Traducción: Montserrat Villar González



FELICIDADE

Felicidade
é poder sentar-se todo contorcido
ajustando
o conforto em prazer

E nesse aspecto
esse é um dos escândalos da velhice

Fazer fogo à noite (não edições, 2014)





.

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada